Existem soluções para incrementar o marketing corporativo sem precisar se endividar ou remanejar verba de outras áreas importantes para a empresa. Com criatividade tudo se resolve, e por isso mesmo vem crescendo bastante a ideia do co-marketing. Mas, o que é isso e como pode te ajudar a se comunicar melhor com o público e ainda se manter dentro da realidade financeira? Veja a seguir.

Conheça o Co-marketing

Basicamente, em poucas palavras, praticar o co-marketing é se unir a outra empresa que tenha o mesmo público-alvo e compartilhar estratégias e ações visando ganhos comuns para ambas.

A prática se baseia na crença de que os dois negócios podem criar campanhas e promoções conjuntas para impactar potenciais clientes de uma maneira que não conseguiriam se tentassem fazer isoladamente – seja por falta de verba ou por oportunidade de mercado.

O uso do co-marketing alcançou maiores voos com a popularização e incrementação do marketing digital – afinal, é na esfera virtual que vem se encontrando os espaços mais promissores para cativar o público e conquistar mais vendas de maneira orgânica. Mas, apesar desse boom que ganhou com a internet, pode-se dizer que a técnica é até bastante antiga.

Como aplicar o Co-marketing?

Um dos exemplos mais clássicos de campanha de marketing em conjunto entre duas empresas que miram o mesmo tipo de público está no segmento de turismo. Você deve se lembrar de combinações de ofertas de passagem aérea somadas a hoteis; ou ainda a aluguel de automóveis. Também é comum o setor de hospedagem se aliar a agências de turismo para promover descontos na estadia combinada a passeios para o visitante.

No mundo digital, o co-marketing pode ser aplicado de maneira bastante fácil e prática por pequenos negócios em busca de mais visitas, leads, clientes e vendas.

A criação de conteúdos é uma excelente maneira de realizar parcerias com negócios em busca da mesma audiência, mas que não sejam necessariamente concorrentes do seu. E as opções do que fazer são muitas: ebooks, blog posts, infográficos, vídeos, podcasts, postagens em redes sociais e até mesmo cursos ou webnários.

Vamos a um exemplo mais prático: se você é dono de um novo negócio de comidas naturais na sua região, o co-marketing pode ser usado em conjunto com alguma academia ou nutricionista próximo para juntarem esforços e lançarem um ebook com receitas saudáveis. Assim, ambos minimizam despesas na hora de produzir o conteúdo e ainda compartilham o ganho de marca.

Por que investir no co-marketing?

O principalmente resultado do co-marketing é justamente esse: reduzir a despesa na criação de determinada campanha e colher os resultados e ganhos conjuntamente. E aí entra a necessidade de parar de encarar a concorrência indireta como inimiga para se unir e, juntos, chegar a lugares que dificilmente alcançariam sozinhos.

Um pode trazer ao outro credibilidade junto ao público, e ainda ganhar os clientes do parceiro através da indicação – se uma pessoa gosta do seu trabalho, fica mais fácil de confiar em profissionais ou empresas que você indicou. As duas marcas/profissionais passam a compartilhar também suas próprias audiências, gerando ganho de branding para ambas.

Outro benefício de apostar na prática é o impacto que cada campanha pode ter. Sozinho fica mais difícil atingir tanta gente em comparação ao que pode ser alcançado com um parceiro também divulgando.

Você une os dois públicos, que provavelmente têm os mesmos interesses – para ganho de todos.

A construção de autoridade também é um ponto vantajoso, já que o nome de uma empresa vai estar relacionada a outra  e ambas se beneficiam disso. Em caso de postagens em blog ainda há o ganho positivo da construção de links – o linkbuilding, com um fazendo referência ao outro e aumentando as chances de ser bem ranqueado no Google e outros mecanismos de busca.

Além dos benefícios em ganho de público e alcance ao compartilhar uma campanha de marketing com outra empresa, naturalmente a redução dos custos de produção sempre é fator determinante para convencer um negócio a adotar o co-marketing.

Principalmente em tempos de crise, é preciso ser criativo para não extrapolar o orçamento e, ainda assim, conseguir se posicionar no mercado e se comunicar com o público de maneira eficiente. E o resultado, é claro, tem tudo para ser visto nas receitas ao fim do mês.